Taverna /dev/All

Por qual (ou quais) você trocaria sua plataforma de desenvolvimento atual?

Gostaria de iniciar um exercício de reflexão aqui. Segue a pergunta: “se você fosse obrigado a parar de usar sua plataforma de desenvolvimento mais usada atualmente, quais adotaria em seu lugar e por que?”

Começo então para iniciarmos este exercício.

Minha principal plataforma de desenvolvimento é Java. Trabalho com Java desde 1996 (Java 1.1) e talvez por estar na minha zona de conforto, não vejo muitas alternativas que a substituam inteiramente, mas consigo ver alternativas.

Mas se fosse para substituir totalmente, vejo alguns caminhos pra mim (que aliás, já comecei):

  • Node.js - por ser extremamente lightweight e aparentemente simples de se desenvolver APIs (especialmente micro serviços).
  • Ruby on Rails - devido a todo o ecossistema que o envolve e também devido à própria linguagem Ruby.

Não iria pro .net por que ainda não tenho plena confiança no seu futuro. Também aguardaria um pouco no que diz respeito ao Python por que pra desenvolvimento back-end as duas alternativas acima me atenderiam muito bem.

Já no que diz respeito a front-ends não tenho muito o que dizer por que já usamos os principais frameworks e ferramentas do mercado (Vue, Angular, React, jQuery :slight_smile: )

PS: no que diz respeito à interação com bases de dados relacionais, sem dúvidas Ruby on Rails dispararia à frente do Node.js

3 Curtidas

Backend uso hoje Go e o resto da empresa Node, trocaria por Rust ou Elixir.
A última vez que trabalhei com frontend foi React mas usei o Angular 1 antes, hoje teria curiosidade de testar as versões novas do Angular.

Na parte de DevOps estamos na stack da HashiCorp: terraform, packer, nomad, consul e vault, além do Ansible. Se tivesse que mudar algo ai testaria o querido do momento, kubernetes, e o Salt e Pulumi para provisionar infra.

Trocaria AWS por Google Cloud. =)

3 Curtidas

Também to pensando em passar a usar mais o Google Cloud. Por que você optaria por ele?

1 Curtida

Eu mudaria pra Python…em primeiro lugar é porque o outro projeto da minha branch é nessa tecnologia.
Mas uso groovy & grails geralzão…

2 Curtidas

Comecei a estudar Python no final do ano passado por causa do Tensorflow: assim que acabar minha thread de estudos atual (Ruby on Rails, React, React Native) este aí vai estar na mira de novo.

Fiquei muito impressionado com o ambiente de desenvolvimento. A única coisa que me chateou um pouco foi esta história de ter o Python 2 e 3 ao mesmo tempo.

2 Curtidas

Minha zona de conforto hoje é Java, JS e PHP. Venho trabalhando com essas tecnologias desde o período da faculdade em 2013.

Desde o ano passado estou estudando aos poucos Elixir e Erlang, hoje to tendo a oportunidade de trabalhar com essa stack e tem sido bem divertido.

No mundo mobile eu venho usando React Native e talvez hoje eu trocasse pra Nativescript (não me sinto à vontade com Flutter).

Eu sou muito curioso e acabo tocando nos principais hypes e escolho o que me sinto mais confortável (produtivo, feliz, mercado).

1 Curtida

Se tivesse empresa pelo ponto de vista de pagar em real e emitir nota fiscal.
Pelo ponto técnico a solução de Kubernetes dele parece estar mais madura que os demais apesar da cloud deles ser mais instável que a AWS. Os produtos deles para área de dados também são melhores que AWS: BigTable e BigQuery em relação ao Redshift.

2 Curtidas

Hum, no momento não vejo motivos para fazer trocas drásticas no backend que usamos (do tipo sair de Java para Ruby). No máximo trocaria os frameworks como Grails, Struts, EJB e companhia limitada pelo Micronaut.

DevOps continuaria com o GitLab CI, ambientes continuariam no Kubernetes. Talvez mudando para AWS em vez de nuvem local. Frontend definitivamente abandonaria o AngularJS e iria para React.

1 Curtida

quero um dia voltar p/ o bare metal.

conheci um pouco da equinix, ascenty e algar recentemente. acho o bare metal foi queimado aqui no brasil pois se traduz mto em localweb na época do servidor compartilhado e problemas demais.

acho q esse mercado mudou bastante mas a cabeça das pessoas não. pq apareceu mta empresa q vende serviço em cloud, né?

1 Curtida

Atualmente minha principal plataforma é a JVM com Java e Kotlin. Se fosse para trocar de plataforma como um todo eu gostaria de ir para uma funcional: talvez Haskell ou Elixir/Erlang. Dá pra ver que essa opção num é nada pragmática (no sentido de ter um número expressivo de vagas de trabalho e oportunidades)… Podendo ficar com a JVM eu migraria para Clojure (e ClojureScript) sem sobra de dúvidas.

Já gostei mais de Python, acho que seria uma mudança interessante mas hoje não seria minha primeira escolha. Outra opção seria mudar também de rumo de carreira, dedicar a bioinformática e usar o que quer que seja útil ou mais conveniente e produtivo nessa área.

2 Curtidas

Já trabalho com Ruby há alguns anos, e na empresa atual tenho feito algumas poucas coisas em Go também (mas o grosso do trabalho ainda está no monolíto em Ruby).
Há alguns anos tenho me sentido cada vez menos inclinado a utilizar linguagens dinâmicas em geral. Então qualquer linguagem estaticamente tipada tem atraído minha atenção.
Eu, como gosto de Haskell e as ideias que ele introduz, trocaria Go por Rust sem pestanejar.
Uma exceção que me faz pensar em considerar linguagens dinâmicas é a VM do Erlang, muito boa para trabalhar com sistemas paralelos e distribuídos. Então ainda gostaria de sujar as mãos com Erlang e Elixir.
Se tivesse que considerar JVM, optaria por Kotlin, só tenho ouvidos elogios. Outras linguagens interessantes na JVM seriam: Clojure por ter boas abstrações para escrever sistemas distribuídos, e Scala tem um sistema de tipos interessante para se trabalhar (apesar da treta de migração para a próxima versão ser algo incerto ainda).

1 Curtida

por conta da tipagem troque clojure por racket, acho q o clj-typed não vingou

1 Curtida

Nunca tinha ouvido falar de Racket, vi aqui agora.

Que incrível!!!

Eu estou com ressaca de linguagens dinâmicas, em geral erroneamente ditas “não compiladas”. Mas é um negócio complicado mesmo de categorizar. Me refiro principalmente a Python, mas falo também de Ruby e Javascript.

Tudo isso para falar que quero muito voltar a ambientes em que gero binários, compilo coisas, me deparo mais rápido com certos erros.

E isso vejo em linguagens como GO e Rust.

Dada a lenta movimentação que estou fazendo para estatística (calouro), parece que vou ter que ficar com Python por mais um bom tempo, mas tem Julia também (e a linguagem R).

Mas respondendo mais diretamente à pergunta feita, eu mudaria para Go ou Rust.

2 Curtidas

esse cara aqui trabalhar com IA em Go https://twitter.com/dwhitena
tem esse tbm https://twitter.com/chewxy

no Slack do Go os 2 costumam tirar dúvidas de quem aparece por lá

itexto